domingo, 18 de julho de 2010

Quinhentos balões

Era uma quarta-feira de primavera, o sol brilhava intensamente no céu sem nuvens, as flores, cada uma mais colorida que a outra, davam vida a cidade. Saí de casa com os meus quinhentos balões amarrados na mão, vestindo um vestido longo amarrado na cintura por um cinto, acompanhado da minha pequena bolsa e minha sandália gladiadora, todos em um estilo meio rústico, feitos de um belíssimo couro marrom. Eram três da tarde e as ruas de Paris estavam estranhamente vazias, o que me deixou um tanto confortada sem todas aquelas pessoas caminhando apressadas pelas ruas. Segui caminhando tranquila até o ponto de ônibus mais próximo, o pequeno relógio indicava que o ônibus ainda demoraria cerca de quinze minutos para chegar então aproveitei para matar o tempo no café ali do lado. Pedi um capuccino médio para viagem e voltei a esperar sentada no ponto de ônibus.
Faltavam agora três minutos. Dois minutos. Um minuto. O ônibus chegou. Saltei para dentro do ônibus, validei o meu ticket e sentei-me como de costume perto da porta de saída, normalmente era minha pequena estratégia para enfrentar a multidão usuária do ônibus na hora de sair com os meus balões, mas nesse dia minha estratégia era inútil já que o ônibus estava vazio, mesmo assim sentei-me ali - era um bom lugar para apreciar a cidade. Paris é uma cidade muito bela, cheia de mistérios para serem descobertos e a cada esquina que passava eu ficava ainda mais encantada com seu charme particular. Passamos rapidamente pelo Champs Elysées que ao contrário da minha rua estava bem cheio, mas eram todos em sua maioria turistas. Logo em seguida já estávamos do lado da Torre Eiffel, era ali onde eu descia às quartas-feiras. Sentei-me no gramado em frente à Torre esperando que alguma criança me visse e pedisse ao seu pai para que ele comprasse um balão. Esse não era meu emprego principal, eu o fazia por prazer, gostava de ver as crianças felizes, as senhoras idosas, e é claro os homens bonitos passeando por Paris, aquilo me deixava mais feliz, quanto aos balões, era só uma desculpa para sair de casa e fazer uma boa ação.

Nessa querta-feira em especial, um adolescente de uns 17 anos chegou perto de mim e me perguntou:
-Quero levar todos. Quanto custa?
-Todos?-perguntei ainda meio em choque- Tem certeza? São quinhentos balões ao todo.
-Apenas quinhentos? Pensei que tivesse mais. Bom, fico com esses quinhentos ai então.
-Te vendo todos por cinco euros. – o único motivo para eu vender balões era ver as crianças felizes, o dinheiro para mim pouco importava.
-Aqui estão cinco euros.
-Obrigada. Posso saber porque o jovem deseja tantos balões assim?- perguntei enquanto ia passando os balões para sua mão.
-Vou pedir minha namorada em casamento. Ela é o grande amor da minha vida, a pessoa com quem eu quero estar do lado até a minha morte. Nós vamos ter filhos e depois netos, e depois bisnetos, se Deus quiser! Vamos completar bodas de ouro, e a nossa lua de mel sera nos Alpes, mas não levaremos muitos casacos, apenas o nosso amor nos aquecerá. – o rapaz ia continuar falando, mas assim que viu todos os quinhentos balões na sua mão, me disse obrigado e partiu ao encontro da namorada.
Sentei-me no gramado novamente e assisti ao pedido de casamento mais lindo, mais apaixonado, mais simples, mais romântico, mais maravilhoso de todos. Ele se aproximou da namorada, ajoelhou-se em frente a ela, fez o pedido, carregou-a em seus braços e e quando por fim eles se beijaram, quatrocentos e noventa e nove balões voavam pelo céu de Paris. Com o ultimo balão ele amarrou seu dedo ao da namorada, quero dizer, esposa. O casal saiu saltitando por Paris e quando eu dei por mim, estava chorando de tanta emoção. Aquele era o casamento que qualquer garota sempre sonhara em ter, e aquele, era o seu príncipe encantado. Um dia, eu ainda terei o meu próprio conto de fadas.
***
Para o Once Upon a Time, edição 53 com foto

5 comentários:

  1. Parabéns! Merecias o primeiro lugar no OUAT!
    Pode visitar meu blog?

    primeiro-livro.blogspot.com

    Obrigada!!

    ResponderExcluir
  2. (quase) Todas as garotas sonham com um príncipe encantado! *.* a cada dia que passa esses textos ficam mais lindos. perfeitos

    ResponderExcluir
  3. Fiquei até emocionado ao ler o seu conto. Maravilhoso, parabéns! eu te amo e voce poderia realizar um sonho comigo.

    ResponderExcluir

Gostou? Não gostou? Tem algo para compartilhar? Sinta-se à vontade. Vou adorar saber o que passou na sua cabeça enquanto você lia esse post.