quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Julieta Fournier [3]

Chegando la mamãe logo avistou « a pessoa »  e segurando minha mão, me levou até ela.  De cabelos ruivos levemente bagunçados e sardas no rosto, o homem se levantou e veio ao nosso encontro, primeiramente deu um abraço forte e demorado –demorado demais por sinal-  em mamae e depois me abraçou.
-Julieta! Como você cresceu! Ai meu Deus, você esta tão linda! –dizia enquanto me olhava dos pés a cabeça como se eu fosse algum tipo de escultura e ele um grande apreciador de artes, que observava a obra com muita atenção. – Você se lembra de mim?
Minha vontade era de responder que não, mas isso não seria muito educado. Aquele homem me era familiar, mas não o suficiente para que eu me lembrasse quem era. Deu um risinho forçado e respondi um timido ‘sim’ que ele pareceu não ter escutado.
-Eu sou o Thiago, um velho amigo da sua mãe.. Talvez você não se lembre de mim porque eu passei os ultimos 5 anos na Espanha, mas eu não me importo. –riu.
Estava explicado porque eu não lembrava dele, muita coisa acontece em 5 anos, principalmente na vida de uma adolescente de 14 anos, há 5 anos atras eu tinha apenas 9 anos, eu era apenas uma criancinha, não me importava com os amigos da minha mãe, eu so queria saber de brincar.
Assim que nos sentamos o garçom entregou rapidamente os cardapios e perguntou se queriamos adiantar a bebida, antes mesmo que mamãe abrisse a boca, Thiago pediu um vinho tinto o qual não me lembro o nome, pela rapidez do pedido julguei que ele era algum tipo de especialista em vinhos. Guardei a pergunta para depois, no momento eu precisava escolher o que beberia. Depois de uma rapida olhada nas variedades de sucos oferecidas pelo restaurante pedi um suco de kiwi –desde que parei de tomar refrigerantes experimentava um novo suco em cada restaurante que ia.
-Ai Thiago me conta como foi la na Espanha, quero saber de tudo!- pediu mamãe super animada.
-Ah Ana foi tudo muito bom, sabe? A Espanha é um pais ma-ra-vi-lho-so! Sempre tem muita coisa acontecendo, as pessoas são muito simpaticas, o clima é agradavel mesmo no inverno. Tudo muito bom.
-Sim Thiago, eu sei disso, mas eu quero saber além, quero saber das sensações, dos detalhes, entende?
-Se acalme, temos tempo o suficiente para que todas as suas perguntras sejam respondidas.
Mamãe estava animadissima com as novidades que Thiago contava e eu, sem mais opções, acabei por escutar atenciosamente o que ele dizia e confesso que a cada palavra que saia de sua boca, eu me apaixonava mais ainda pela Espanha. A forma como ele transmitia cada momento me deixava fascinada, o que me fez pensar se talvez, ao invés de especialista em vinhos ele não era algum tipo de escritor que viajava para escrever seus livros em procura de melhores detalhes.
A conversa foi interrompida pelo garçom que chegou com nossas bebidas.
-Já decidiram o que irão comer?
-Eita! É mesmo. Não, não nos decidimos ainda, desculpe- respondeu mamãe- Estavamos tão entretidas com suas novidades que esquecemos da comida. –disse dessa vez se dirigindo a Thiago.
-Bom, não temos muito o que decidir, acho que uma barca média é o suficiente para nos três. O que acham?
Concordamos as duas. Thiago voltou a falar sobre a Espanha,sobre as cidades, os museus, os restaurantes, as praias. Falou tanto que eu sentia já conhecer a Espanha como a palma da minha mão mesmo que nunca tenha ido la. Quando cansou-se perguntou a mamãe como andavam as coisas por aqui, como estava seu trabalho, como estava a vovo Lilian e papai. Mamãe respondeu que estava tudo muito bem, que ela havia sido promovida, que vovo tinha recebido alta do hospital e por fim respondeu que poucos meses depois que ele fora para a Espanha, ela e papai se separam.
-Eu sinto muito. –disse Thiago enquanto acariciava a mão da mamãe. – O que aconteceu?
Mamãe hesitou por um instante e depois respondeu: ele me traiu. Eu tinha nove anos quando mamãe e papai se separaram. Uma amiga da mamãe a alertou do que estava acontecendo e mamãe não demorou muito para se separar dele. Ele tentou se explicar mas mamãe não queria escutar nenhuma desculpa. Desde então somos so eu e ela, sem nenhum homem em casa, a única presença masculina é do nosso cão, um buldog branco chamado Caneca. Eu sabia que aquele assunto não era muito confortavel para mamãe então tratei de mudar de assunto logo.
-Então Thiago, você trabalha com o que?
-Eu trabalho com doces Julie, sou um confeiteiro. Passei esses 5 anos estudando culinaria em diversos lugares da Espanha.
-Sério? Que legal!
-A Julie é apaixonada por doces, você podia ir la em casa qualquer dia desses ensina-la alguma receita. Tenho certeza de que ela vai amar, não é mesmo Julie?
-Nossa, isso seria incrivel!  Sera que você pode?
-Mas é claro! É so você me ligar que eu apareço por la, ok? Sua mãe tem o meu telefone.
Passamos o resto da tarde no sushi, comendo, conversando e rindo bastante. Eu não me lembrava do Thiago muito bem, mas depois desse almoço, fiquei com uma otima impressão dele.
***
Desculpem a demora pra autalizar a web, para compensar vocês, fiz esse post bem grande.
Ps: a imagem é de Barcelona, Espanha.

4 comentários:

  1. oie, amei seu blog, me segue no me tbm. Bjj
    http://maniafashion.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. ai que bom que você gostou (:
    estou seguindo o seu de volta.

    ResponderExcluir
  3. Anônimo, sério que voce já se viciou no blog da lú... eu também tô viciada, ela escreve muito bem não é?! Pois é, beijão lú, te amo amiga s2

    ResponderExcluir

Gostou? Não gostou? Tem algo para compartilhar? Sinta-se à vontade. Vou adorar saber o que passou na sua cabeça enquanto você lia esse post.