quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Julieta Fournier [1]

Conversas e brincadeiras tomavam conta da sala, alguns em pé, outros sentados, outros escrevendo no quadro e mais alguns outros jogando bola. Bastou que Lorena gritasse “Ela esta vindo!” para que todos os alunos se desesperassem e cesassem a diversão. Quem olhava do lado de fora, poderia até pensar que éramos alunos comportados, estavamos todos sentados com a coluna reta, virados para o quadro e com nossa mesas organizadas, não se via um lixo no chão, chicletes na boca então, eram inimaginaveis. Um grande engano é claro, nossa postura era um mero reflexo ao medo que Carla, nossa professora de matematica, nos causava. Ela estava vindo e entraria pela porta vermelha de ferro em questão de segundos.
-Bom dia.- anunciou enquanto se dirigia a sua mesa e colocava seu material sobre a mesa.
Ao terminar a chamada levantou-se e começou a discursar sobre nossas notas na prova.
-Os seus resultados na prova refletem suas atitudes em sala de aula. Eu gostaria de parabenizar a maior parte da turma, por suas excelentes notas, eu espero que vocês continuem assim no proximo semestre. Quanto aos que tiraram nota baixa, se n ão me engano 4 alunos – eu estava inclusa entre esses quatro alunos, infelizmente- vocês foram convocados para participarem das aulas de reforço oferecidas pela escola. Eu já pedi para que a orientadora comunicasse aos seus pais sobre seu rendimento escolar inadmissivel. Vocês precisam melhorar de postura caso contrario ficarão de recuperação. E so isso que tenho a dizer.
Ok, admito que minha nota não foi excelente, mas não achava necessario telefonar minha mãe devido um 5,6. Procurei não me preocupar com o telefonema, mas de repente ouço meu celular tocar, tocar alto o suficiente para que Carla ouvisse.
- Eu não sei e nem quero saber de quem é o celular. Apenas desligue-o.
Antes de desligar o celular abro a mensagem recem recebida. Era da minha mãe e dizia: “Filha, preciso conversar com você assim que chegar em casa. Beijo.” Eu com certeza estava encrencada, podia ouvir minha mãe brigando comigo, dizendo pela centésima vez que não pagava caro para eu tirar notas baixas.
 Sem outra opção espero a aula acabar para receber minha bronca. Na porta de casa, minha vontade é de não entrar. Respiro fundo duas vezes e abro a porta, minha mãe estava a minha espera sentada no sofa.
-Oi filha. Como eu já tinha te tido, preciso conversar com você.
-é eu recebi a sua mensagem. Pode falar.
***
Comeco mais uma web serie. Espero que gostem. Me digam o que acharam desse primeiro episodio. Em breve postarei mais.

4 comentários:

  1. acho que amanha eu posto o proximo, amanha ou sabado (: continue acessando o blog para saber o que vai acontecer

    ResponderExcluir
  2. gostei,mmas dessa vez termina a hostoria :)

    ResponderExcluir

Gostou? Não gostou? Tem algo para compartilhar? Sinta-se à vontade. Vou adorar saber o que passou na sua cabeça enquanto você lia esse post.